FRAUDE: Pará Figueiredo pode ficar sem mandato por causa de fraude no PSL

O Ministério Público Federal (MPF) ingressou no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) uma Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (AIME) em cima do deputado estadual eleito Pará Figueiredo, além do primeiro suplente Fábio Câmara e todos os outros candidatos a deputado do PSL na eleição de 2018.

O responsável por tal ação do MPF seria o Presidente do PSL e vereador de São Luís Chico Carvalho que “embrenhou” a lista de canditados do sexo feminino com vários nomes de mulheres que nem sabiam que seriam candidatas inclusive a própria esposa e a filha do vereador.

Tudo para poder atingir o percentual de 30% que obrigatoriamente deve ser de mulheres candidatas. Essa tem sido uma prática corriqueira feita por partidos nanicos que desta vez não ficarão invisíveis  aos olhos do MPF.

O MPF pede a queda por completo da chapa, anulando portanto o diploma do único eleito no partido, o deputado Pará Figueiredo, filho do atual presidente do TJ-MA.

“No caso, o PSL, que não tinha candidaturas femininas válidas suficientes e, por isso, nem participaria da eleição proporcional, logrou registrar candidatos, disputar o pleito e receber votos, em tudo enganando a Justiça Eleitoral com a aparente candidatura de algumas mulheres, que ao final vieram a ser indeferidas por falta de condição de elegibilidade. Para ficar com as palavras do TSE, a coligação impugnada “ocultou” o real conteúdo da sua lista, simulou candidaturas que em verdade sequer poderiam existir, com a nítida finalidade de burlar a legislação eleitoral e ludibriar a Justiça Eleitoral, no que, como se vê, logrou sucesso”, destacou o procurador.